ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

terça-feira, 24 de abril de 2012

MERCADO DE TRABALHO E OS EGRESSOS DO SISTEMA PRISIONAL

Na última segunda-feira, dia 23, aconteceu no auditório do Centro de Apoio ao Trabalho, o 1º Seminário - Oportunidades de Trabalho, Emprego e Renda para Egressos do Sistema Prisional de São Paulo, promovido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho da Cidade de São Paulo.

A SEMDET, por meio da Coordenadoria do Trabalho, tem realizado no decorrer dos últimos dois anos, diversos seminários abordando temas complexos e chamando outras instâncias do Poder Público e da sociedade para discutir e buscar soluções para cada tema. Já foram discutidos temas como a mulher no mercado de trabalho, negros, pessoas com deficiência, o aprendiz, diversidade de gênero, dentre outros.

O tema abordado neste seminário do dia 23, a questão do mercado de trabalho para o egresso do sistema prisional, é especialmente complexo, pois como foi dito por um dos participantes, a situação do egresso pode ser pior do que de outros grupos vulneráveis, já que não se trata apenas do preconceito, mas ainda, do medo. São barreiras muito difíceis de superar, mas que devem ser combatidas com iniciativas como essa que promovam o debate e provoquem a discussão, criando condições para uma conscientização da sociedade para o problema.

Duas importantes palestras ajudaram a esclarecer e demonstrar a situação do mercado de trabalho para os egressos, proferidas pelo professor de Relações do Trabalho da USP e uma das maiores autoridades no assunto, José Pastore e pela Diretora da FUNAP, Lucia Maria Casali de Oliveira. Em seguida aconteceu uma mesa redonda, mediada pelo Professor Reinaldo Bugarelli, da Fundação Getúlio Vargas e da Txai Consultoria, onde ocorreu o depoimento de dois egressos contando suas trajetórias após a liberdade e a dura realidade que encontraram. Foram depoimentos emocionantes e que pessoalmente me tocaram e mostraram que quando realmente a pessoa deseja mudar e crescer como ser humano, ela consegue. Nesta conversa participaram ainda a Sra. Carla Vieira Araujo, representando uma empresa que emprega egressos do sistema prisional e a Sra. Mariana Parra do Instituto Ethos.

Estudos comprovam que no grupo de egressos que conseguem inserção no mercado de trabalho, seja por meio do emprego ou pela iniciativa do negócio próprio, a reincidência criminal cai abruptamente. Portanto, estudar e buscar soluções para esse problema, contribui não só para uma importante questão social como também é uma medida de combate a violência.
Parabéns a Coordenadoria do Trabalho por proporcionar para a cidade de São Paulo a discussão deste e de outros assuntos extremamente relevantes para trabalhadores e empregadores.