ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

segunda-feira, 13 de dezembro de 2021

O FUTURO DO MERCADO DE TRABALHO – profissões morrem e outras nascem

Um tema bastante sensível e que deve ser debatido é o futuro do Mercado de Trabalho, seja pelas mudanças originadas em função da tecnologia e do mundo digital, seja pela mudança das relações de Trabalho. Ao mesmo tempo em que o avanço tecnológico ceifa postos de trabalho, esse mesmo movimento cria outros postos. Essa transição causa impactos imediatos a uma parte das pessoas, para o bem e para o mal. Aqueles profissionais que atuam em profissões “condenadas” poderão sofrer com a perda de seus postos de trabalho, e só uma atualização radical em suas habilidades dará a chance de se salvarem, se conseguirem mudar de profissão. Uma dessas mudanças já aconteceu anteriormente, quanto a automação começou a dominar a indústria. As fábricas evoluíram e aumentaram sua capacidade de produzir com máquinas e equipamentos modernos e computadorizados. Os operadores que não aprenderam a utilizar essas novas máquinas “computadorizadas” se tornaram tão obsoletos quanto às máquinas antigas que operavam. Noutra fase que também já começou há algum tempo, algumas profissões desapareceram ou desaparecerão em breve. Um pouco mais atrás, profissões como datilógrafo, telefonista, linotipista... algumas que você nem conheceu. Muitas outras estão acabando e num futuro breve não existirão mais. Muitas profissões que possam ser substituídas por “robôs” irão desaparecer. Por outro lado, já surgiram e ainda surgirão novas profissões e em um mercado ascendente. O mundo digital ainda é um bebê. Segundo o Relatório da Comissão Global do Futuro de Trabalho, publicado em 2017, estima que 65% das crianças de hoje irão trabalhar em profissões que sequer ainda existem. Uma outra categoria de profissão onde se corre risco de não conseguir manter a carreira, não propriamente pelo avanço tecnológico mas por outro motivo, são aquelas “profissões da moda”. Muita gente acaba escolhendo uma profissão e vai fazer aquela faculdade, pois acredita que aquela é a profissão do futuro. Essa gente pode ter razão, mas esquece de ponderar o tamanho do mercado. Vou dar um exemplo. A questão do meio ambiente hoje está em alta e é realmente relevante. E também é uma área bacana para se trabalhar. Embora seja uma área em crescimento, onde cada vez mais as empresas se preocupam com essa questão, formam-se a cada ano milhares de profissionais, muito mais gente do que o mercado pode absorver e um exércitos de profissionais ambientais não terão onde trabalhar. Outra situação que veremos num futuro é uma mudança radical nas relações do trabalho. A forma como nos relacionamos com nossos empregadores (e vice-versa) será totalmente diferente, contratos de trabalho se tornarão “on demand”, ou seja, por projeto. Alguns futuristas afirmam que muitas outras atividades também morrerão em breve, como cirurgião, piloto de avião, motorista, etc. Todavia, acredito que mesmo que a Inteligência Artificial invada essas áreas, que os algoritmos e softwares sejam ultra sofisticados, ainda teremos a presença do profissional humano por muito tempo. Mas nem tudo é desilusão. Novas profissões surgem a cada dia, seja diretamente com o desenvolvimento das tecnologias ou com as áreas surgidas em função dessa nova cultura tecnológica. Isso merece uma publicação a parte, só falando disso.