terça-feira, 18 de dezembro de 2012

PREMIO CITI MELHORES MICROEMPREENDIMENTOS


Em 2005, como parte das comemorações do ANO DO MICROCRÉDITO foi criado o Prêmio Global de Microempreendedorismo, por iniciativa da ONU (Organização das Nações Unidas) em parceria com o Citi.
Em 2006, a Fundação Citi assumiu a responsabilidade pela gestão do programa, renomeando a ação para Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos. Desde seu início, o objetivo do Prêmio é reconhecer empreendedores que aproveitam o recurso do microcrédito para impulsionar o seu negócio, seja dando o passo inicial ou melhorando seus produtos e serviços, contribuindo assim com o desenvolvimento econômico e social de suas comunidades.
Este ano, em sua 8ª edição, além de reconhecer os melhores microempreendedores, o Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos reconheceu a Instituição de Microfinanças mais Inovadora. E foi nesta categoria que o Banco Confia (antigo São Paulo Confia) foi premiado. A premiação visa destacar a importância do microcrédito no desenvolvimento de pequenos negócios em comunidades de baixa renda, em razão da contribuição das instituições premiadas para a geração de emprego e renda.

Parabéns ao Banco Confia e a todos os agentes, personagens fundamentais para essa importante atividade.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

SEMANA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EM SP

Durante toda esta semana na cidade de São Paulo acontece  a “SEMANA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL.
 
O evento é mais uma importante iniciativa da Coordenadoria do Trabalho da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho e tem como principal objetivo proporcionar conhecimento aos pequenos empreendedores com diversos cursos e palestras, além da própria formalização desses que querem empreender e não querem ficar na informalidade.
Segundo o coordenador do Trabalho, Fernando Cerqueira, "Auxiliar alguém que já é ou deseja se tornar um empreendedor é contribuir para a realização de sonhos que modificam a sociedade como um todo, em razão da geração de trabalho e renda".

Dentre as atividades oferecidas está o “Curso Básico de Empreendedorismo” que ensina o pequeno empreendedor a lidar com o dinheiro, o fluxo de caixa, a formação de preço de seus produtos e técnicas de venda. Haverá ainda palestras sobre a “Importância do Microcrédito" e de "Ser um Empreendedor” e “Empreendedorismo”

Para buscar informações, inscrever-se nos cursos e palestras e realizar sua inscrição como MEI – Micro Empreendedor Individual, basta comparecer em uma unidade do CAT – Centro de Apoio ao Trabalho (verifique os endereços no site www.prefeitura.sp.gov.br/trabalho ).

O evento ocorre até o dia 14/12 das 8h as 17h

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

VENCEDORES DA SEXTA EDIÇÃO DO PRÊMIO EMPREENDEDORES DE SUCESSO

Hoje estivemos no evento de entrega do prêmio EMPREENDEDORES DE SUCESSO, que deu reconhecimento aos empreendimentos que mais se destacaram neste ano de 2012. Foram três menções honrosas e três vencedores nas categorias Negócio de Alto Impacto, Startup e Negócio Social, além do prêmio principal de Destaque do Ano. Estiveram prestigiando o evento diversos empresários e profissionais na área de empreendedorismo, como o Consultor de Franquias Marcio Tadeu Aurélio da Aurélio Luz  Franchising&Varejo e autor do blog O Mundo das Franquias e sua Sócia na Aurélio Luz, Lênia Luz, que também é autora do blog Empreendedorismo Rosa.  Os presentes foram brindados com uma especial palestra de Jack London, Professor e Empreendedor de sucesso, e pioneiro da Internet no Brasil.


O Destaque do Ano ficou para a empresa P3D Educação, dos empresários Emerson Hippolyto e Merwyn Lowe Neto;
Na categoria Alto Impacto o vencedor foi a CLEARSALE de Bernardo Lustosa e Pedro Chiamulera;
 












O prêmio da categoria Startup foi para BABY.COM.BR de David Smith e Kimball Thomas










NA categoria Negócio Social a empresa vencedora foi a CASA E CAFÉ de Rodrigo Neaime e Daniele Kulpers













PARABENS AOS VENCEDORES E AOS DEMAIS LAUREADOS.

 




Lênia Luz e Márcio Tadeu Aurélio da
Aurélio Luz Franchising&Varejo



O evento foi promovido pela revista Pequenas Empresas Grandes Negócios, e faz parte do Movimento Empreenda.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

PREMIO EMPREENDEDOR DE SUCESSO 2012

No próximo dia 6 de dezembro, às 19h, acontecerá no Auditório da Editora Globo em São Paulo a entrega do Prêmio Empreendedor de Sucesso, promovido pela Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios.
Nesta sexta edição, quatro empresas serão premiadas nas categorias Negócio de Alto Impacto, Startup e Negócio Social, além do Destaque do Ano. Outras três empresas também receberão menção honrosa por suas notórias atuações nos segmentos da premiação. O objetivo é incentivar a criação de novos negócios no Brasil e divulgar e reconhecer empreendedores e companhias de sucesso. Pela primeira vez neste ano, além das inscrições diretas das empresas, 41 embaixadores – profissionais especializados em empreendedorismo espalhados pelo país – indicaram até dez companhias para participar do prêmio. Essas empresas foram convidadas a enviar seus dados para inscrição eletrônica, realizada em outubro. A curadoria dos dados para a escolha dos vencedores foi realizada pelo Insper Instituto de Ensino e Pesquisa.
O Prêmio Empreendedor de Sucesso é o último evento de 2012 do Movimento Empreenda, iniciativa da Editora Globo para despertar e encorajar novos empreendedores no país, além de educar e capacitar aqueles que já empreendem.

O Blog O MUNDO DO TRABALHO estará lá prestigiando o evento.




segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

PALESTRA NA APAM - Ass. Paulista de Motéis

Quero agradecer publicamente a receptividade que tive na APAM – Associação Paulista de Moteis, especialmente o Sr. Antonio Carlos Morilha, Coordenador de Treinamento e Palestras desta associação, em virtude da palestra que proferi no último dia 27, aos empresários do setor no auditório desta importante entidade. Publico abaixo a mensagem que recebemos do Sr. Morilha:

Prezado Sr Nelson
Em nome dos Diretores e Moteleiros da APAM - Associação Paulista de Motéis, agradecemos a vossa apresentação no 2º Ciclo de Palestras ocorrido no último dia 27/11. Estamos recebendo ligações e emails de moteleiros de diversas regiões de São Paulo, elogiando sua Exposição. Muito obrigado, pela sua gentileza em transmitir um pouco do seu conhecimento a todos os presentes na Palestra. Esperamos continuar a merecer a sua atenção em nossos futuros eventos.
Antonio Carlos Morilha
Diretor Administrativo
APAM – Associação Paulista de Motéis
Sede Própria: Rua Bento Freitas, 178 conjs 41/43 V. Buarque
(11) 3223-7834/3222-2353


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

QUEDA NO SALDO DE VAGAS FORMAIS EM OUTUBRO (ou forte recuo na criação de vagas formais)

Desde 2008 não se tinha índices tão baixos na criação de vagas. É o pior mês de outubro neste período (2008-2012). A queda foi de aproximadamente 50% em relação a outubro de 2011. Um resultado que requer atenção. Os setores que mais perderam postos de trabalho foram a Agricultura e a Construção. Nos demais setores, Comércio, Indústria e Serviços, houve criação de vagas, mas em número muito reduzido. O crescimento na Indústria começa a reverter a situação anterior de queda, mas ainda não mostra uma tendência consolidada, já que a economia apesar de estar em crescimento anda a passos de tartaruga.

Analistas do Ministério do Trabalho apontam como principal causa desse resultado a alta rotatividade de trabalhadores, mas eu não acredito que esse seja o principal motivo, já que o quadro do mercado do trabalho não se alterou muito nos últimos três anos. O nível de emprego está estável já há algum tempo com pequenas variações para cima e para baixo, refletindo na realidade a evolução da economia. Como já explicamos em postagens anteriores, não é correto dizer que estamos em situação de pleno emprego, pois além do aspecto técnico do termo, o país é muito grande e apresenta diferenças enormes nas características do emprego em cada região. Há ainda a questão da economia internacional, com a crise na Europa, refletindo na queda da exportação brasileira para esses países, fazendo com que exportadores diminuam suas produções e se voltem ao mercado interno, mudando sua matriz de mercado, mudando o quanto e como realizam seus investimentos.

Podemos afirmar ainda, que o mercado de trabalho está em transformação. O desemprego é menor do que era há anos atrás, os tipos de emprego mudaram em vários setores, o empregado está mudando! Os locais onde está o emprego estão mudando, com empresas migrando para o Norte, Nordeste e Centro Oeste, por exemplo, devido aos custos menores (ver artigo sobre Call Center publicado em 19/11/2012). E assim as políticas públicas de emprego também têm de estar em transformação e entender que o problema principal atual não é o desemprego por falta de vagas.

O IBGE apontou em outubro a menor taxa de desemprego ndos últimos 10 anos (5,3%), mas temos também em outubro a pior taxa de criação de vagas. Para que não se confunda as duas informações é importante ressaltar que com a economia em baixo crescimento, novas vagas NÃO SÃO CRIADAS, mas as vagas já existentes começam a ser ocupadas em maior escala. Essa situação mostra algo interessante: o tamanho do mercado de trabalho brasileiro está chegando ao seu limite em relação ao nível econômico.



quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Visita da OECD - Políticas Públicas no setor do Trabalho em São Paulo e no Brasil

Hoje o CAT – Centro de Apoio ao Trabalho da Prefeitura de São Paulo recebeu uma comitiva da OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), uma organização internacional com sede em Paris, que tem como objetivo incentivar e melhorar as políticas de desenvolvimento econômico e bem estar das pessoas. A OCDE é um fórum em que os governos podem trabalhar juntos para compartilhar experiências e buscar soluções para problemas comuns.

Essa comitiva esteve no CAT, que é referência nacional do Sistema Público de Emprego e em políticas públicas no setor do Trabalho, com o objetivo de conhecer o mercado de trabalho no Brasil e na maior cidade do País e observar in loco os Programas e as formas de execução das políticas públicas deste setor na cidade de São Paulo. Ainda dentro dos objetivos da visita, os técnicos da OECD pesquisavam o mercado de trabalho para os jovens e como se dá a entrada desses no mercado de trabalho, como é a transição desse indivíduo da fase escolar para a fase profissional.

Acompanhei pessoalmente a visita dos técnicos, conversamos bastante sobre o mercado de trabalho no Brasil, seu estágio de evolução, as contradições e dificuldades enfrentadas diante do crescimento econômico durante os últimos anos no Brasil. Essa comitiva formada por economistas especializados em políticas públicas ficaram positivamente impressionados com o profissionalismo dos técnicos do CAT e qualidade dos serviços oferecidos. Mencionaram que não encontraram nada parecido nos outros países que visitaram para a realização desta pesquisa. Esperamos que nosso trabalho, que realizamos com imenso profissionalismo e dedicação, e nossas experiências possam ser difundidas e aproveitadas por outros entes pelo mundo.

Aproveito para parabenizar a OECD que completa 50 anos.
http://www.oecd.org

O CAT - Centro de Apoio ao Trabalho é uma instituição pertencente à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho da Prefeitura de São Paulo.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

O MERCADO DE TRABALHO EM CALL CENTER (TELEMARKETING)

O setor de Call Center é um dos setores que mais emprega (um milhão e seiscentos mil trabalhadores no Brasil) porém é um dos que apresenta o maior “turn over”, ou seja, rotatividade de mão de obra. Isso acontece por uma série de motivos que vão desde a contratação de pessoas sem experiência e que não se adaptam até a baixa remuneração. São milhares de trabalhadores contratados a cada mês e outros milhares são desligados. Isso pode ser visto nos postos do sistema público de emprego, como no CAT – Centro de Apoio ao Trabalho na cidade de São Paulo, onde há uma enorme oferta de vagas para o setor e que não são preenchidas.

Por outro lado, muita gente se dá bem nessa atividade e faz carreira. O telemarketing é ainda uma ótima porta de entrada no mercado de trabalho para jovens sem experiência profissional, que aprendem nessas empresas muito sobre o mundo corporativo.
Mas nas grandes cidades onde se concentram as maiores empresas de Call Center, o mercado de trabalho mostra índices de saturação, já que pessoas em busca de emprego estão recusando as vagas do setor, principalmente pela baixa remuneração. As empresas de Call Center dizem atuar com margens de lucratividade reduzidíssimas, pois seus custos devem ser enquadrados dentro do valor dos contratos com seus clientes, dificultando o aumento dos níveis salariais para o setor.
Diante desse quadro, muitas empresas começam a transferir parte de suas operações para estados do nordeste, onde o custo da mão de obra é menor e recebem incentivos fiscais. O piso salarial da categoria é o mesmo em qualquer região do país, porém os custos variáveis, como alimentação e transporte são menores do que em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. É uma boa notícia para o Nordeste, que ganha um novo setor, fazendo crescer o mercado de trabalho na região.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

SEMANA GLOBAL DE EMPREENDEDORISMO

Durante toda esta semana, de 12 a 18 de novembro, acontece o maior movimento de empreendedorismo do mundo com atividades em mais de 120 países. São atividades voltadas ao conhecimento, ao incentivo, e crescimento do empreendedorismo. Hoje participam desse movimento mais de 24 mil organizações que realizarão 37 mil atividades mobilizando mais de 1,7 milhão de pessoas.

Assim, a convite da Consultoria AURÉLIO & LUZ ASSOCIADOS, uma das mais importantes consultorias no setor de franquias, estivemos presentes no evento do Movimento Empreenda, promovido pela Editora Globo, ocorrido no auditório do Banco Santander em São Paulo, que congregou diversos empreendedores e incentivadores em um encontro com palestras e histórias de sucesso.

O bom momento que o país atravessa, não obstante à crise na Europa e EUA, é favorável a quem quer empreender. É um momento de oportunidades e consolidação daqueles que já iniciaram uma atividade. Sempre é bom lembrar que para se tornar um empreendedor não basta o desejo. É muito importante saber o que está fazendo, ter um objetivo bem claro e planejar como pretende alcançá-lo. É fundamental ter em mente ainda, que ao abrir seu próprio negócio estará correndo riscos: risco de obter grande sucesso e risco de fracassar. É preciso coragem e muitas vezes frieza para saber o momento em que se deve ou não correr riscos. Vida de empreendedor não é fácil. É preciso muita luta e perseverança. É preciso conhecimento e muita atenção com o mundo ao seu redor. Por outro lado, essas dificuldades são extremamente gratificantes a cada pequena ou grande vitória.

Para saber mais:

http://www.semanaglobal.org.br/

http://movimentoempreenda.revistapegn.globo.com/

https://www.facebook.com/EmpreendedorismoRosa



                                                   Com Marcio T. Aurélio, diretor da Aurélio & Luz Associados
                                      
                                   Com Lênia Luz, da Aurélio&Luz Associados e Empreendedorismo Rosa

sábado, 10 de novembro de 2012

NOVA QUEDA NO EMPREGO INDUSTRIAL

Mais uma vez o IBGE aponta queda no nível de emprego no setor industrial. Os dados apontam queda tanto em relação ao mês anterior, quanto ao mesmo mês do ano anterior. Em setembro, a queda foi de 0,3% em relação a agosto e 1,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Isso é preocupante, já que denota uma consolidação da situação no setor industrial, mesmo a Indústria apresentando aumento de produtividade no período. A queda não é somente do nível de emprego, mas também do nível salarial. Esse cenário provocou nos empresários e empreendedores do setor um receio de investir em planos de crescimento, equipamentos, etc. Mesmo com certo aumento da produtividade no período, os resultados foram pífios, o que não permitiu que a Indústria recuperasse seu fôlego. Neste momento, a produção está em queda, não há novas vagas e turnos de trabalho estão sendo paralisados. Estudos realizados por institutos especializados não apontam melhora ou recuperação para os próximos meses, haja vista que a queda perdura pelo 12º mês consecutivo, desde setembro de 2011. Grandes empregadores como a indústria têxtil, calçadista e de vestuário, que são também grandes exportadores, sofreram os maiores impactos com a crise internacional.


Vários são os motivos dessa situação, que vai desde o modelo de exportação que optou preferencialmente pelas “commodities” em lugar de produtos de maior valor agregado até a situação de baixa atividade econômica nos maiores mercados consumidores internacionais como EUA e Europa.




Não se esqueça que estamos participando do Prêmio TOP BLOG 2012, que escolhe os melhores blogs. Não deixe de votar neste blog, clicando no logo (igual a esse ai ao lado) na coluna à direita seguindo as instruções é fácil e rápido. Obrigado!



terça-feira, 16 de outubro de 2012

LEITORES  E AMIGOS DO BLOG "O MUNDO DO TRABALHO" :

Já somos um dos 100 melhores blogs no prêmio TOP BLOG 2012. Você pode participar votando em nosso blog.

Para isso, basta clicar no selo do TOP BLOG na coluna à direira e votar.

Além do seu voto, o blog também é analisado por um juri técnico.

CONTAMOS COM SEU VOTO! PARTICIPE!!

domingo, 23 de setembro de 2012

NIVEL DE EMPREGO EM AGOSTO: Contradição?

O nível de emprego no mês de agosto teve um pequeno aumento, mas desproporcional ao crescimento da economia. Isso mostra uma contradição, já que o nível de emprego cresce se a economia cresce e vice-versa. Aqui a economia teve um crescimento maior que o nível de emprego e a explicação pode estar nos meses anteriores, onde as empresas não demitiram mesmo com queda na produção, mantendo seus empregados e agora, quando a economia apresenta algum crescimento, não foi necessário contratar.

É provável que ainda tenhamos um crescimento nos níveis de emprego este ano, já que a época é de contratação devido principalmente às festas de final de ano, onde a indústria começa a aumentar sua produção e logo mais o comércio e serviços.

Segundo os dados do CAGED (Cadastro de Empregados e Desempregados), A cidade de São Paulo registrou uma variação relativa positiva de 0,21% em relação ao mês anterior e foi o maior crescimento da região sudeste. No Brasil a variação relativa foi de 0,26%.

Como podemos observar pelos dados acima a variação foi pequena, mostrando uma estabilidade. Apesar da variação negativa na Indústria de transformação e na agricultura, a perda de postos de trabalho nesses setores foi compensada pelo aumento nos setores do comércio no no setor de serviços.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

MICROEMPRESA X GERAÇÃO DE EMPREGOS

Já há algum tempo as pequenas e médias empresas (com até 100 funcionários) geram a maioria dos empregos no Brasil. Na última pesquisa realizada com base no CAGED –Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - em julho, essas empresam responderam por mais de 77% do saldo de empregos gerados. Deste modo, podemos afirmar que este tipo de empresa sustenta o mercado de trabalho e principalmente o atual crescimento do nível de emprego. Um fato ainda mais relevante é que deste percentual, foram as microempresas (com até quatro funcionários) que geraram a maioria desses empregos, em torno de 81%.

Com estes dados podemos concluir que essa geração de empregos só foi possível porque alguém resolveu empreender, ter o seu próprio negócio. E isso pode significar também, que os empreendedores estão mais responsáveis quando resolvem montar uma empresa e estão mais preparados para enfrentar o mercado. Sabemos que a mortalidade precoce dessas empresas sempre foi muito grande, mas hoje a tendência é que mesmo a empresa de um só empregado, seja mais bem planejada antes de ser fundada. Na cidade de São Paulo há o São Paulo Confia, que é um banco de microcrédito, com participação do Município e que cumpre muito bem a sua função de fomentar os pequenos empreendimentos, mas o mais importante é que criaram uma Academia de Microfinanças, que prepara e ensina os empreendedores a administrarem bem seus negócios e que cada vez tem tido maior procura. Isso demonstra a preocupação que hoje em dia os empreendedores têm em se profissionalizar.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

EMPREGO NA INDÚSTRIA EM QUEDA (...e comércio desacelerando)


Em tempos de estabilidade econômica no Brasil, mas com grande parte do mundo em crise, seria muito fácil dizer que a situação não é preocupante para os brasileiros. O nível de emprego na indústria vem caindo constantemente, desde o início de 2011. Praticamente todos os setores da indústria estão sendo afetadas, com raras exceções. É o pior desempenho desde 2009. Isso é um alerta e um indicador que a situação não é tão boa assim. A Indústria de São Paulo por ser a mais diversificada e mais importante em exportações tem sido muito afetada e isso se refletiu em fechamento de postos de trabalho. A piora tem sido gradual e constante, já que há menos exportação e maior importação. A concessão de crédito de forma quase indiscriminada a fim de incentivar o consumo, provocou uma onda de inadimplência e agora o consumo interno também se retrai. A inadimplência do consumidor cresceu mais de 19%, já que boa parte de sua renda foi comprometida com a compra de bens de alto valor e muitos recorrem aos crédito rotativo (e muito mais caro) como cartão de crédito e cheque especial.

Todo esse quadro faz com que a situação do nível emprego na indústria não evolua positivamente e não há perspectivas seguras de melhora em curto prazo. Nesse momento da economia, mesmo se houver algum crescimento do consumo e aumento da produção industrial, isso não levará necessariamente ao aumento de postos de trabalho, já que para a empresa é mais vantajoso ampliar as jornadas. Para que se criem postos de trabalho é necessário que a produção seja aumentada de forma constante e não sazonal.
Segundo o IBGE as áreas mais afetadas pela queda do nível do emprego são a indústria do fumo (-10,4); vestuário (-8,7); madereira (-7,7); calçados (-6,1); têxtil (-5,7) e metalúrgica (-4,8).

Como disse em postagens anteriores, não podemos afirmar que vivemos em uma situação de pleno emprego. Isso não corresponde à realidade técnica do termo e nem mesmo a todas as regiões do Brasil, onde o desemprego ainda é importante.

domingo, 1 de julho de 2012

1ª RODADA DE EMPREGOS da Cidade de São Paulo

Começa nesta segunda feira, dia 02 de julho e vai até dia 6 de julho a 1ª RODADA DE EMPREGOS do Centro de Apoio ao Trabalho.

Durante o evento 1900 oportunidades de trabalho nos setores de fast food, supermercadista, terceirização de serviços (limpeza, portaria e vigilância) e telemarketing estão sendo oferecidas diretamente pelos empregadores. O evento acontece no CAT Luz (São Paulo) onde os trabalhadores não só tem a oportunidade de concorrer às vagas como também conhecer a empresa em que pretendem trabalhar.

Esse evento idealizado pela Coordenadoria do Trabalho da Cidade de São Paulo, permite que muitas vagas sejam preenchidas em um curto espaço de tempo, melhorando muito a vida do trabalhador que está em busca de trabalho e do empregador que tem sua demanda atendida rapidamente.

O modelo foi experimentado com sucesso na Feira do Trabalho 2012 e agora será reproduzido em todas as regiões da cidade de São Paulo por meio do CAT Centro de Apoio ao Trabalho.

Esta forma de aproximação entre trabalhadores e empregadores é um novo paradigma de atendimento pelo sistema público de emprego, que precisa inovar e acompanhar as mudanças do mercado de trabalho e estar sempre com o olhar no futuro, prevendo e planejando as ações diante de cada situação e comportamento do mercado.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

NIVEL DE EMPREGO EM MAIO - TENDÊNCIA PARA 2012

Em relação ao nível de emprego de maio de 2012, podemos analisar de duas formas. Uma delas aponta para um momento estagnado, já que estatisticamente o nível de ocupação teve um crescimento irrelevante (de 53,7% para 54,2%), assim como o desemprego recuou também de forma irrelevante (6% para 5,8%), apontando para um momento de paralisia em relação ao mês anterior. Todavia, essas pequenas variações representaram 119 mil pessoas entrando no mercado de trabalho. A crise europeia afetou sim o mercado mundial, bilhões deixaram de circular na economia mundial, inclusive a brasileira. No mês anterior, o impacto foi um pouco mais forte na economia brasileira, mas em maio, o impacto negativo foi amenizado. Podemos dizer, então, que estatisticamente o mês de maio apresentou índices estagnados em relação ao emprego formal.

Em São Paulo a Indústria apresentou um nível de emprego de 0,29% maior em maio em relação ao mês anterior, porém se compararmos com o mesmo mês do ano anterior, houve queda de 2,94%. Em números absolutos, foram criados 21 mil empregos a mais no estado de São Paulo em maio em relação a abril, mas em comparação ao mesmo período de 2011, há um saldo negativo de 79,5 mil empregos.

Embora tenha acontecido uma recuperação muito modesta, há certo otimismo nos especialistas no assunto, mas já é sabido que em 2012 dificilmente será alcançado o nível de emprego de 2011.

sábado, 19 de maio de 2012

DESEMPREGO NA EUROPA E NO BRASIL

Uma reportagem muito interessante do programa SEM FRONTEIRAS da Globo News (no qual tenho uma breve participação) faz uma comparação sobre a situação do emprego na Europa e a situação no Brasil. A comparação é muito importante neste momento da economia mundial, onde o desemprego que lá ocorre é totalmente diferente do que acontece aqui.

Já comentamos em postagens anteriores sobre o desemprego no Brasil e seus principais motivos. Enquanto lá fora, nos E.U.A. e Europa, em linhas gerais, o desemprego se dá pela estagnação da economia aqui se dá pelo descompasso entra a oferta de empregos e a qualidade da mão de obra. Muitos são os fatores do desemprego aqui. Enquanto os meios de produção evoluem, a preparação de trabalhadores para atuarem não evolui. A educação básica não estimula os jovens a se capacitarem para o futuro e seu conteúdo é precário. Políticas Públicas investem na formação de nível superior e esquecem o ensino técnico e de qualidade, que é fundamental para que o país realmente cresça. Mesmo aqueles que têm condição de se capacitar e conquistar o mercado de trabalho, muitas vezes são iludidos por novas profissões, ou profissões da moda, onde o mercado de trabalho não tem como absorver toda a quantidade de profissionais que se formam.

O Brasil está em um momento muito favorável, com uma oportunidade única para se tornar de fato uma grande nação, no melhor sentido da palavra, mas ainda continua ligado a velhas formas, a um pensamento tacanho e medíocre.

Espero que aqueles que conduzem o país consigam enxergar mais adiante e não desperdicem este momento favorável diante do mundo. O Brasil já está sendo prejudicado pela falta de técnicos e profissionais preparados para viver nesse novo mundo, neste mercado de trabalho onde se faz necessário o profissionalismo, onde se faz necessária a mão de obra preparada e capacitada e em constante evolução. Precisamos preparar não só trabalhadores, mas homens (e mulheres) para esse mundo que vivemos.

LINK para assistir a reportagem completa:
http://g1.globo.com/globo-news/sem-fronteiras/videos/t/todos-os-videos/v/aumento-do-desemprego-afeta-jovens-na-europa/1952585/

terça-feira, 8 de maio de 2012

FEIRA DO TRABALHO em São Paulo

A partir do dia 14 de maio acontecerá na cidade de São Paulo a 2ª edição da FEIRA DO TRABALHO, promovida pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho e destinada aos trabalhadores, empregadores, empreendedores e público em geral.
Neste ano a Feira do Trabalho contará com a participação de empregadores, que estarão oferecendo oportunidades de trabalho e várias entidades públicas e privadas que colocarão a disposição da população diversos serviços.
Acontecerão ainda palestras e cursos de curta duração voltados aos profissionais de Recursos Humanos, empresários, trabalhadores, empreendedores e demais interessados.
O Evento apresentará os diversos serviços disponibilizados à população da cidade de São Paulo na área do Trabalho, que fazem parte das políticas públicas implementadas pela Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico e do Trabalho e que se tornaram referência para outras cidades brasileiras.

Alguns serviços que estarão disponíveis na Feira:

Oportunidades de trabalho, habilitação ao Seguro Desemprego, Emissão de Carteira de Trabalho, RG, Atestado de Antecedentes, CNH, consulta ao SCPC, orientação para o trabalho (currículo, processo seletivo, comportamento, etc.), inscrição para cursos, MEI (Micro Empreendedor Individual), Microcrédito, orientação jurídica e previdenciária, Inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, saúde do trabalhador
VISITE A FEIRA DO TRABALHO. De 14 a 25 de maio, das 9h às 17h no Vale do Anhangabaú, no Centro de São Paulo



                               Imagem da 1ª edição da Feira do Trabalho em 2011

sábado, 5 de maio de 2012

A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL

Desde o início do processo da estabilização da economia com o Plano Real, os paradigmas do mundo do trabalho estão mudando e agora os resultados estão aparecendo com maior clareza. O tipo desemprego mudou e a forma das iniciativas empreendedoras também mudou. Há 20 anos ou há 10 anos havia muito mais pessoas que desejavam ter seu próprio negócio, mas hoje isso está diminuindo. Menos pessoas estão interessadas em abrir seu próprio negócio e isso é resultado direto do emprego estar mais estável, ou seja, mais pessoas empregadas. Como disse em postagens anteriores, o que existe hoje em dia é o desemprego em nichos e são esses nichos que devem ter a atenção das políticas públicas e são nesses nichos onde as políticas públicas que incentivem o empreendedorismo se fazem necessárias, como as leis do MEI , EIRELI, disponibilidade de Microcrédito, etc. Uma pesquisa do Datafolha mostra que em 2001, 70% das pessoas desejavam ter seu próprio negócio, hoje apenas 60% tem essa vontade. Ter o próprio negócio no Brasil ainda é muito complicado. Como podemos ver na informação acima, onde 60% das pessoas desejam ter seu próprio negócio, poucos partem para a ação ou conseguem esse objetivo. O Brasil é considerado um dos mais hostis para se abrir um negócio, contribuindo para isso os altos impostos, as contribuições sociais e taxas que só aumentam, além de uma burocracia voraz. Em algumas cidades há maiores incentivos ou políticas públicas que favorecem o empreendedorismo, como em São Paulo e outras, mas ainda não acontece em todo o país.


A mesma pesquisa do Datafolha que citei acima, mostra que as pessoas estão mais satisfeitas também com seu trabalho, seja empregado ou empreendedor. Hoje são 61% das pessoas contra apenas 45% em 2001. O medo do desemprego também diminuiu, segundo a pesquisa.

Penso que apesar desta percepção, as pessoas não devem pensar que emprego está fácil, e normalmente se acomodam e deixam de evoluir em sua educação e em seu desenvolvimento profissional, podendo transformar isso em risco futuro. Afirmo que mesmo com essa mostra positiva do mercado de trabalho, políticas públicas devem ser criadas ou ampliadas para faixas onde há grande dificuldade de trabalho como jovens e pessoas acima dos 45 anos, por exemplo.



terça-feira, 1 de maio de 2012

DIA 1 DE MAIO - DIA DO TRABALHO

O Dia do Trabalho é comemorado em 1º de maio. No Brasil e em vários países do mundo é um feriado nacional, dedicado a festas, manifestações, passeatas, exposições e eventos reivindicatórios.

A História do Dia do Trabalho remonta o ano de 1886 na industrializada cidade de Chicago (Estados Unidos). No dia 1º de maio deste ano, milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho. Neste mesmo dia ocorreu nos Estados Unidos uma grande greve geral dos trabalhadores. Dois dias após os acontecimentos, um conflito envolvendo policiais e trabalhadores provocou a morte de alguns manifestantes. Este fato gerou uma revolta nos trabalhadores, provocando outros enfrentamentos com policiais. No dia 4 de maio, num conflito de rua, manifestantes atiraram uma bomba nos policiais, provocando a morte de sete deles. Foi o estopim para que os policiais começassem a atirar no grupo de manifestantes. O resultado foi a morte de doze manifestantes e dezenas de pessoas feridas. Foram dias marcantes na história da luta dos trabalhadores por melhores condições de trabalho. Para homenagear aqueles que morreram nos conflitos, a Segunda Internacional Socialista, ocorrida na capital francesa em 20 de junho de 1889, criou o Dia Mundial do Trabalho, que seria comemorado em 1º de maio de cada ano.

Aqui no Brasil existem relatos de que a data é comemorada desde o ano de 1895. Porém, foi somente em setembro de 1925 que esta data tornou-se oficial, após a criação de um decreto do então presidente Artur Bernardes.

Fatos importantes relacionados ao 1º de maio no Brasil:
Em 1º de maio de 1940, o presidente Getúlio Vargas instituiu o salário mínimo. Este deveria suprir as necessidades básicas de uma família (moradia, alimentação, saúde, vestuário, educação e lazer)

Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores.



terça-feira, 24 de abril de 2012

MERCADO DE TRABALHO E OS EGRESSOS DO SISTEMA PRISIONAL

Na última segunda-feira, dia 23, aconteceu no auditório do Centro de Apoio ao Trabalho, o 1º Seminário - Oportunidades de Trabalho, Emprego e Renda para Egressos do Sistema Prisional de São Paulo, promovido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho da Cidade de São Paulo.

A SEMDET, por meio da Coordenadoria do Trabalho, tem realizado no decorrer dos últimos dois anos, diversos seminários abordando temas complexos e chamando outras instâncias do Poder Público e da sociedade para discutir e buscar soluções para cada tema. Já foram discutidos temas como a mulher no mercado de trabalho, negros, pessoas com deficiência, o aprendiz, diversidade de gênero, dentre outros.

O tema abordado neste seminário do dia 23, a questão do mercado de trabalho para o egresso do sistema prisional, é especialmente complexo, pois como foi dito por um dos participantes, a situação do egresso pode ser pior do que de outros grupos vulneráveis, já que não se trata apenas do preconceito, mas ainda, do medo. São barreiras muito difíceis de superar, mas que devem ser combatidas com iniciativas como essa que promovam o debate e provoquem a discussão, criando condições para uma conscientização da sociedade para o problema.

Duas importantes palestras ajudaram a esclarecer e demonstrar a situação do mercado de trabalho para os egressos, proferidas pelo professor de Relações do Trabalho da USP e uma das maiores autoridades no assunto, José Pastore e pela Diretora da FUNAP, Lucia Maria Casali de Oliveira. Em seguida aconteceu uma mesa redonda, mediada pelo Professor Reinaldo Bugarelli, da Fundação Getúlio Vargas e da Txai Consultoria, onde ocorreu o depoimento de dois egressos contando suas trajetórias após a liberdade e a dura realidade que encontraram. Foram depoimentos emocionantes e que pessoalmente me tocaram e mostraram que quando realmente a pessoa deseja mudar e crescer como ser humano, ela consegue. Nesta conversa participaram ainda a Sra. Carla Vieira Araujo, representando uma empresa que emprega egressos do sistema prisional e a Sra. Mariana Parra do Instituto Ethos.

Estudos comprovam que no grupo de egressos que conseguem inserção no mercado de trabalho, seja por meio do emprego ou pela iniciativa do negócio próprio, a reincidência criminal cai abruptamente. Portanto, estudar e buscar soluções para esse problema, contribui não só para uma importante questão social como também é uma medida de combate a violência.
Parabéns a Coordenadoria do Trabalho por proporcionar para a cidade de São Paulo a discussão deste e de outros assuntos extremamente relevantes para trabalhadores e empregadores.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

VOCÊ TEM UM EMPREGO NOVO? OS PRINCIPAIS PECADOS QUE NÃO SE PODE COMETER

O UOL publicou uma matéria em 10/04 onde especialistas em Recursos Humanos apontam que os primeiros meses de trabalho são fundamentais para carreira deste profissional dentro da nova empresa. Nós também acreditamos nisso e sempre que abordamos o tema da empregabilidade em nossas palestras ressaltamos os pontos que determinam a vida desse profissional na empresa que acaba de ingressar ou que irá ingressar.

A matéria alerta que é nesse período de experiência que a empresa observa e avalia se o profissional se manterá no cargo e em que condições. Segundo Andrea Bavier da Consultoria Luandre, “a chefia é a responsável pela avaliação, mas a equipe também participa mesmo que seja de maneira informal”.

O comportamento muitas vezes acaba sendo mais importante numa decisão de manter ou não o profissional do que seu conhecimento técnico e experiência. A consultora aponta cinco erros principais que um recém contratado pode cometer e dá as dicas:

Desinteresse - O profissional deve assumir uma postura de aprendiz e buscar informações sobre seu trabalho e normas da empresa. Pergunte, observe e eleja uma pessoa que possa ser seu mentor.

Falta de Integração com a equipe - Lembre-se: você depende da equipe a qual pertence. Utilize a observação a seu favor para conhecer o ambiente comportamental do grupo. Veja como as pessoas se relacionam e tratam umas as outras. Evite agir sem se importar com as regras de conduta da empresa ou da equipe.

Atrasos e faltas - Procure não faltar. Não se atrase ou peça para sair durante o horário de trabalho. Caso tenha questões pessoais a serem resolvidas, é mais saudável negociar a data de sua admissão. Assuntos particulares devem ser resolvidos e tratados fora do horário de trabalho. O uso da internet para assuntos pessoais deve ser evitado.

Individualismo e arrogância - Demonstre suas capacidades e realize tarefas sempre compartilhando com todos, mas tome cuidado para que não seja interpretado como o “sabe tudo”. Evite se isolar para que não seja tachado como arrogante. Não desenvolva atividades levando em consideração apenas seu conhecimento ou ponto de vista.

Criticas e fofocas - Não critique métodos, processos ou qualquer outra coisa sem ter embasamento para tal. Falar mal da empresa ou dos colegas de trabalho também não é saudável, afinal de contas, você acabou de chegar e escolheu trabalhar naquela organização. Evite se envolver em conflitos e as famosas fofocas que rodeiam o ambiente de trabalho.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

A ROTATIVIDADE NO MERCADO DE TRABALHO ATUAL

Um recente estudo do IPEA - Instituto de Pesquisas Econômicas Avançadas mostra um crescimento do número de pessoas que trocam de emprego. Em 100 postos de trabalho aconteceram mudanças em 106, ou seja, mais de uma mudança por posto. Nos dois primeiros meses de 2012, mais de 30% dessas mudanças foi por opção do trabalhador. Como dissemos em postagens anteriores, o mercado de trabalho está em transformação e com mudanças de paradigma. O desemprego de hoje é diferente do desemprego de alguns anos atrás, não só em números como na qualidade e forma. (verificar post de 28/03/2012)

Com o crescimento econômico as características do mercado de trabalho mudaram. Os setores que mais cresceram, como o setor de serviços, são onde ocorrem o maior “turn over” (rotatividade). Outros setores específicos que apresentaram grande crescimento, também apresentaram rotatividade. As mudanças ocorrem por diversos motivos. Pela empresa, normalmente por redução de custos ou busca de profissionais mais qualificados. Pelo trabalhador, pelo surgimento de melhores oportunidades. Como os maiores empregadores em número de vagas são as pequenas e médias empresas, isso favorece a rotatividade, pois as condições de trabalho e os salários nesse tipo de empresa podem ser bem diferentes entre elas, propiciando aos trabalhadores melhor preparados a oportunidade de escolher onde trabalhar.

Mais uma vez podemos afirmar diante dos fatos que independentemente da situação econômica, estar bem preparado para enfrentar o mercado de trabalho só traz vantagens.

terça-feira, 3 de abril de 2012

ATENÇÃO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS

I SEMINARIO - OPORTUNIDADES DE TRABALHO, EMPREGO E RENDA PARA EGRESSOS DO SISTEMA PRISIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO

No próximo dia 23 de abril de 2012 acontecerá no Auditório do Centro de Apoio ao Trabalho, o 1º Seminário - Oportunidades de Trabalho, Emprego e Renda para Egressos do Sistema Prisional da Cidade de São Paulo, promovido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento econômico e do Trabalho, com o objetivo de discutir a inserção de egressos do sistema prisional no mercado de trabalho e formas de ressocialização por meio do trabalho e geração de renda. Este evento é destinado a Profissionais de Recursos Humanos, Agentes Públicos, Empresários e demais interessados no tema. Participe deste importante evento e ajude na discussão dessa questão.

As inscrições podem ser feitas GRATUITAMENTE pelo e-mail seminariosemdet@prefeitura.sp.gov.br

O Auditório do Centro de Apoio ao Trabalho fica na Av. Prestes Maia nº 913, 4º andar - São Paulo




quarta-feira, 28 de março de 2012

OS NOVOS PARADIGMAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE TRABALHO, EMPREGO E RENDA

A maioria das Políticas Públicas de Trabalho, Emprego e Renda realizadas no Brasil nas esferas federal, estadual e municipal estão estagnadas ou evoluindo aquém das necessidades da população. Na verdade há diferenças enormes entre as regiões e para cada uma delas devem ser desenvolvidas políticas específicas e que acompanhem as necessidades da população.

No setor público, a Intermediação de Mão de Obra, a Qualificação Profissional e o Seguro Desemprego fazem a base de uma dessas políticas públicas. Dependendo do agente público que desenvolve e executa as políticas públicas nessa área, elas podem ser muito avançadas (Cidade de São Paulo, por exemplo) com serviços abrangentes e eficazes no atendimento direto aos cidadãos ou então políticas públicas que não alcançam índices minimamente satisfatórios para o atendimento às populações.

As regiões que possuem políticas públicas mais evoluídas desenvolvem e disponibilizam para os cidadãos diversos outros serviços a fim de tornar cada vez mais completo o atendimento da população que busca sua inserção ou reinserção no mercado de trabalho, ou mesmo ter seu próprio negócio.

A Integração das políticas públicas se faz cada vez mais presente e necessária nas ações voltadas ao mercado de trabalho. Essa integração de ações, programas e políticas públicas agregam valores e capacidades à população que amplia suas perspectivas de permanecer e crescer na vida profissional.

Com a economia estável, o quadro do mercado de trabalho está diferente do que era há dez ou mesmo há cinco anos e as políticas públicas precisam acompanhar as mudanças e evoluir. Sabemos que o perfil do desempregado não é o mesmo antes, ou melhor, o desemprego de hoje está mais presente em alguns setores ou faixas sociais e etárias específicas. Deste modo, o que precisamos discutir são as melhorias das políticas públicas relacionadas ao novo paradigma. Por esse prisma, podemos, por exemplo, promover parcerias na área de qualificação e capacitação profissional, com setores da economia que utilizam mão de obra específica, incluindo as empresas não só na absorção da mão de obra capacitada, mas principalmente na sua formação. Cada setor empresarial pode e deve promover em parceria com o poder público a qualificação e capacitação de profissionais.

Esse tema será discutido no seminario Eu Penso São Paulo em 31/03

quinta-feira, 15 de março de 2012

INCLUSÃO E GERAÇÃO DE RENDA PARA MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Na semana em que se comemorava o Dia Internacional da Mulher (8 de março) pensei em escrever alguns artigos relativos à condição da mulher no mercado de trabalho. Coincidentemente conversei com minha amiga Ivone do Centro de Convivência da Mulher Cidinha Kopcak, que coordena essa importante entidade que atende e apóia mulheres vítimas de violência doméstica na zona leste de São Paulo, na região de São Mateus e pedi a ela que escrevesse algo sobre a situação das mulheres atendidas pela entidade. Publico aqui com muito prazer o texto da Ivone.

“Menciono aqui uma experiência com mulheres da região Leste da cidade de São Paulo, que tem o seu cotidiano permeado pela violência doméstica e pobreza; em geral apresentam baixa escolaridade, situação de desemprego, ou estão na economia informal, com baixos salários e sem a garantia dos direitos trabalhistas. Ao buscarem ajuda para o seu problema, mais especificamente da violência doméstica, passam por atendimento social, atenção psicológica e orientação jurídica.

Uma vez que o objetivo do trabalho com as mulheres é o seu fortalecimento para conseguirem romper com a violência, trabalhamos com elas a questão da autonomia pessoal e econômica. Desta forma, recebem orientação para vaga de trabalho, participação nas oficinas de geração de renda e incentivo para retomarem os estudos e se profissionalizarem. Nas oficinas de trabalho e geração de renda, muitas das mulheres acabam descobrindo sua habilidade e passam a produzir em pouco tempo; oferecendo as peças confeccionadas para vizinhos e amigos, descobrindo que podem gerar sua própria renda; quando elas não tem condições de adquirir o material, conseguem subsídio através do CRAS (Centro de Referência e Assistência Social) da região, como primeiro impulso.

Ressaltamos que neste trabalho lhe é oferecido apenas a aprendizagem e a capacitação. Ainda não conseguimos organizar essas mulheres em cooperativas ou projetos de empreendedorismo. No momento oferecemos curso de bijuteria e corte e costura, no primeiro, duas alunas já confeccionam as próprias peças, mostrando no comércio e feira do bairro, no curso de costura algumas delas começaram a trabalhar na área. Ressalto ainda, que essas oficinas têm o caráter do convívio, socialização e auto valorização, melhorando sua auto-estima.

Temos outra situação onde muitas mulheres têm obtido a vaga de emprego em posto de trabalho do município (CAT) e retornando para contar a novidade, uma delas comentou que agora conseguiu emprego pela CLT, sentindo-se mais completa como cidadã.

Para finalizar, frente às dificuldades em seu dia a dia, as mulheres não se intimidam e movidas pelo desejo e necessidade econômica vão em busca do trabalho e de empreendimentos simples que lhes possam gerar renda e autonomia, e porque não dizer, Felicidade.”

IVONE DE ASSIS DIAS