ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

quarta-feira, 3 de junho de 2015

DESEMPREGO AUMENTA NO BRASIL

O IBGE acaba de divulgar a taxa de desemprego de abril (e do primeiro trimestre). Foram fechados quase 100 mil postos de trabalho, o pior índice desde 1992. A Indústria encolheu mais de 5% em março e a crise na Indústria começa a refletir nos setores do Comercio e Serviços. Segundo a metodologia utilizada o desemprego atingiu os 8%, mesmo não considerando como desempregados as pessoas que desistiram de procurar emprego formal ou não procuraram emprego nos últimos 30 dias. ( Entenda melhor as metodologias ).

Alguns setores do comércio varejista já registram queda de 30% no faturamento. A Indústria já está dando férias coletivas aos trabalhadores ou mesmo realizando demissões em massa. Além do aumento de desemprego, a inflação em alta, que já estourou a meta do governo em quase 100% está corroendo o rendimento do trabalhador.

Estejam preparados para um ano muito difícil!

domingo, 31 de maio de 2015

A BAIXA PRODUTIVIDADE BRASILEIRA – 2

Há algum tempo publicamos um artigo sobre a baixa produtividade brasileira e como isso afeta a economia e o mercado de trabalho. Naquele artigo mostramos que o Brasil é o penúltimo colocado da América Latina, somente a frente da Bolívia. Se levarmos em conta que o Brasil tem uma das maiores economias do mundo, esse dado mostra como somos um país atrasado e de futuro incerto.

Recentemente, um estudo da Conference Board, uma entidade americana formada por mais de 1200 empresas de 60 países, além de estudiosos e pesquisadores, mostra que o Brasil, comparado aos Estados Unidos, está ainda na década de 1950 e que são necessários 4 trabalhadores brasileiros para realizar uma tarefa que um trabalhador americano realiza.

Mencionamos no artigo anterior que isso não é decorrência da “preguiça” do trabalhador brasileiro, mas fruto de vários fatores negligenciados pelo Brasil e pela falta de prioridades do governo.

A baixa produtividade brasileira, segundo especialistas, é resultado de escolaridade baixa e de má qualidade, falta de capacitação e qualificação, infra-estrutura precária em todas as áreas, falta de investimento em tecnologia e inovação, planejamento e visão de longo prazo. A burocracia exagerada e alta carga tributária sem contrapartidas para a sociedade brasileira também são fatores importantes que acentuam a distância do Brasil dos outros países. Deste modo, não é sem razão, que o Brasil tem apresentado queda acentuada no PIB, com índice de crescimento negativo, enquanto outros países têm crescido.

O Brasil está cada vez pior em relação aos demais países emergentes e as distâncias no tema produtividade são cada vez maiores. O estudo aponta que na década de 80 um trabalhador brasileiro produzia quase metade do que um trabalhador americano. Hoje é de menos de ¼.

Com isso o Brasil vem perdendo acentuadamente a competitividade no mercado internacional e está tendo sua indústria corroída, transformando o mercado de trabalho em um mercado do setor de serviços que produz empregos de baixa qualidade e assim, uma sociedade de baixa qualidade.

Devemos lembrar, que é principalmente no setor industrial que são gerados os empregos de melhor qualidade, com trabalhadores mais preparados e qualificados. Quanto maior o desenvolvimento e crescimento da Indústria, melhor para o mercado de trabalho e para os trabalhadores.


Como aponta o estudo, o Brasil ainda está na metade do século passado e andando para trás. O Brasil, outrora país do futuro, anda a passos largos para o passado.