ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

terça-feira, 28 de julho de 2020

CAGED - Os números do emprego formal no primeiro semestre de 2020


CAGED - MTE 2019 | Cadastro de Empregados e Desempregados

O Brasil criou 6.718.276 vagas de emprego no primeiro semestre de 2020, mas perdeu 7.916.639 postos de trabalho. Ou seja, o mercado de trabalho formal perdeu 1.196.363 vagas de emprego de janeiro a junho. Exatamente quando o país começava a retomada da economia a pandemia chegou ao país ceifando vidas e empregos. Estamos falando dos empregos formais, aqueles com carteira assinada, mas a situação é também muito grave no setor informal, onde não há carteira assinada, onde muitos fazem sua renda com bicos, algum tipo de venda de produtos ou prestação de serviços autônomos. Grande parte do mercado informal era ocupado por pessoas desempregadas que desempenhavam alguma atividade informal temporária durante o período de desemprego como forma de obter renda e o sustento de suas famílias. Mas a situação atingiu em cheio essa parcela do mercado de trabalho.

Um alento é que no mês de junho o desemprego desacelerou sensivelmente.  Enquanto nos meses anteriores o desaparecimento de vagas foi gritante (março= -259.217; abril= -918.286 e maio= -350.303), em junho foi de “apenas” -10.984.

Os setores de Construção e Agronegócio foram os que apresentaram saldo positivo no número de empregos. Foram mais de 17 mil vagas na Construção e quase 37 mil no Agronegócio.  


Vamos aguardar o resultado da PNAD-C do IBGE que mostra um espectro mais amplo do mercado de trabalho, incluindo também o trabalho informal, para termos uma idéia se a desaceleração do desemprego em junho é ou não uma tendência positiva para a economia e o mercado de trabalho.