domingo, 3 de setembro de 2017

A TERCEIRIZAÇÃO TORNA PRECÁRIO O TRABALHO? VERDADE OU MITO?

Segundo estudo publicado esta semana na revista ESTUDOS ECONÔMICOS da USP a terceirização não torna precários nem o trabalho e nem os salários dos terceirizados.
O estudo de caráter científico foi realizado a fim de esclarecer a questão sobre a qualidade salarial e de trabalho, comparando as formas de contratação e acompanhando um grupo de 13,4 milhões de trabalhadores durante os anos de 2007 a 2014 por meio da RAIS, dentro de seis segmentos profissionais claramente terceirizáveis. O estudo identificou a analisou que aproximadamente 430 mil profissionais migraram durante esse período de terceirizado para direto e 310 mil da contratação direta para a terceirizada.

Dentre essas seis áreas terceirizáveis, constatou-se que em Telemarketing e Limpeza houve uma ligeira diminuição de salário quando o trabalhador direto passa para a terceirizada, mas nas demais áreas como Vigilância e Segurança há um aumento salarial quando o trabalhador torna-se terceirizado. Em resumo, é um mito que a terceirização torna o trabalho e o salário precários quando há terceirização.

O mito pode ter nascido de um estudo feito há algum tempo pela CUT que apontava uma diferença salarial de quase 25% a menos nos salários de terceirizados, porém tal estudo comparava o que não era comparável. Comparava salários de áreas diferentes causando grande distorção no resultado do estudo.

Vou deixar no final deste artigo o link do estudo (em PDF) e do artigo publicado na revista ESTUDOS ECONÔMICOS da USP para quem desejar conhecê-lo por completo e entender mais sobre o tema.

Os autores:
Guilherme Stein - Pesquisador de Economia – Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser  
Eduardo Zylberstajn - Professor – Escola de Economia de São Paulo – Fundação Getúlio Vargas (EESP-FGV)
Hélio Zylberstajn - Professor – Universidade de São Paulo (USP)