ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

sexta-feira, 2 de março de 2012

CRESCIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Um estudo realizado recentemente pelo SEBRAE constatou que dos 119.000 empregos formais gerados no mês de janeiro deste ano, 86% foram originados nas micro e pequenas empresas com até quatro funcionários. O estudo foi baseado no CAGED (Cadastro Geral de Emprego e Desemprego). Esse número equivale a mais de 102.000 postos de trabalho.

No mesmo período de 2011 o setor foi responsável por 69% dos empregos formais, o que demonstra que o setor está crescendo cada vez mais. A estabilidade da economia no Brasil foi um dos aspectos que influenciou nesse crescimento, ainda porque essas empresas dificilmente sofrem com a crise externa como algumas das médias ou grandes empresas que dependem em algum momento do mercado externo.

Outro fator que assegura a ascensão do setor é a facilidade de crédito ou microcrédito para esse tipo de empresa e também o aumento de renda da população, que acaba consumindo mais.

Devo lembrar que hoje está relativamente fácil investir em um pequeno negócio, mas o empreendedor não pode nunca esquecer que não basta ter uma boa idéia e uma boa oportunidade para um negócio, se esse empreendedor não se capacitar e se preparar para o mercado corre o risco de acabar como a maioria das pequenas empresas que surgem, ou seja, morrem! O banco de microcrédito da cidade de São Paulo, o São Paulo Confia, vincula a partir de agora, a liberação do crédito a um curso de capacitação voltado para a gestão do negócio e totalmente gratuito.

Que tal aproveitar o bom momento e tornar-se um empreendedor?

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Na Comissão Municipal do Emprego

Hoje estivemos presentes na reunião da Comissão Municipal de Emprego (São Paulo), onde dentre outras deliberações da pauta, ocorreu uma palestra sobre Governança Corporativa no Terceiro Setor. A palestra foi proferida pelo consultor Joaquim C. Barbosa do IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Tema muito interessante e abordado de forma esclarecedora e imparcial. Quem se interessar pelo tema do terciro setor, pode acessar o site do IBGC: http://www.ibgc.org.br/

domingo, 26 de fevereiro de 2012

ESTAMOS EM SITUAÇÃO DE PLENO EMPREGO?

Uma matéria da jornalista Karina Lignelli do Diário do Comercio (São Paulo) publicada em 23 de fevereiro, vem ao encontro de um comentário que fiz sobre o “pleno emprego” no Brasil. Com a economia estável em situação confortável em comparação aos países do primeiro mundo, algumas pessoas entusiasmadas propagam que vivemos uma situação de pleno emprego, o que na minha opinião não reflete a verdadeira realidade.

Os números obtidos pelo IBGE e pela Fundação SEADE mostram índices de desemprego bastante favoráveis, beirando os 6%. O alto índice de trabalhadores sem qualificação ou capacitação profissional, além da baixa escolaridade de parte da população e alto índice de informalidade, impedem que o país atinja o nível de pleno emprego. Visto desta perspectiva, sem ter a estrutura adequada de mercado, o Brasil está longe de chegar à situação de pleno emprego.

O artigo da jornalista apresenta a opinião de estudiosos do assunto que coadunam com meus comentários em postagens anteriores sobre a questão da qualificação profissional e a necessidade das empresas de obterem profissionais preparados. Esse problema pode ser transitório, mas a velocidade dos investimentos em treinamento e qualificação profissional, principalmente pelas empresas, não está adequado às necessidades do mercado. Na mesma edição, uma matéria da mesma jornalista, apresenta o trabalho do Centro de Apoio ao Trabalho, em uma oficina sobre Marketing Pessoal para trabalhadores candidatos às oportunidades de trabalho oferecidas pela entidade, onde dou uma entrevista e falo sobre essa situação.