ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

quinta-feira, 23 de julho de 2020

TRABALHO E EMPREGO NESSES TEMPOS DE PANDEMIA

É muito difícil falar qualquer coisa concreta sobre trabalho e emprego nesses tempos de pandemia. Se na área da saúde está difícil planejar não podemos esperar algo diferente na Economia e conseqüentemente no mundo do trabalho e nos empregos. É difícil ainda decidir se preservamos as vidas, a saúde ou a Economia, pois para parte da população a doença é fatal e mesmo que estatisticamente as mortes possam ser “absorvidas” como dano colateral numa eventual busca pela normalidade econômica, não sabemos quais vidas serão ceifadas. Não há solução fácil. Não há panacéia que salve uma vida.

Com a paralisação da economia no mundo, que não é culpa de nenhum governo e sim de um vírus potencialmente letal, grande parte dos empregos se foi. Nem mesmo os empregos informais e as atividades informais escaparam. Aliás, os empregos informais foram muito mais afetados do que os formais com o fechamento ou suspensão das atividades de muitas empresas.

Tenho visto muitos profissionais de RH, por exemplo, debaterem sobre o mercado de trabalho, como fazer nesses novos tempos e as formas de trabalho como o aumento de atividades em “home Office”. Todavia, quem pode realizar seu trabalho remotamente, fazem parte de uma pequena parcela de trabalhadores. A maioria não pode.

Tudo que está se fazendo no mercado de trabalho é tentar equacionar a situação para amenizar um grande dano. Mas como sabemos, economia paralisada é igual a baixo nível de emprego e não sabemos quando isso irá terminar. Só a vacina pode modificar a atual situação. Não adianta brigar para que voltemos a uma vida normal, que todos os setores da economia voltem ao normal, pois isso não resolverá o problema. Não vou aqui tomar qualquer posição sobre reabrir ou não as empresas, etc., pois como disse, não há solução fácil. As pessoas estão entre pagar as contas e mesmo matar a fome ou arriscar a vida e de sua família, desafiando a doença.


De todo modo, a luta não pode parar e as pessoas têm de sobreviver. Cada um sabe “onde seu calo dói”. Que se tomem todas as medidas de segurança para suas vidas. Aproveitem parte de seu tempo para aprender mais, para entender mais e com sorte teremos em breve uma vacina que possa por fim a essa situação.