ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

IBGE DIVULGA PNAD 2013 – DESEMPREGO AUMENTA

Acaba de ser divulgada pelo IBGE a PNAD 2013 – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio e apresenta alguns dados preocupantes. Como comentamos várias vezes aqui no blog, a economia vem se degradando e provocando estragos. A Indústria já vem há tempos apresentando queda, com perda de produtividade e desemprego.

A população desocupada cresceu 7,2%, um número tão ruim quanto na crise mundial de 2009. A Taxa de desocupação (desemprego) também se elevou para 6,5%, a pior do período 2001-2013. A taxa de desocupados, ou seja, pessoas que estão procurando emprego, aumentou para 6,7 milhões de pessoas. Essa taxa aumentou em todas as regiões do Brasil, exceto na região Sul:

NORTE
17,2 %
NORDESTE
6,2 %
CENTRO OESTE
11%
SUDESTE
7,8 %
SUL
-2,2 %

Embora haja a expectativa ruim para a questão do desemprego para os próximos meses, tendência mostrada nesta pesquisa, outros indicadores foram positivos, como a taxa de formalização, onde aumentou em 3,6% o número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado.

Essa diminuição na taxa de emprego em 2013 em relação a 2012, mostra que não é de hoje que a economia começa a dar sinais de estagnação. Se os indicadores apresentados neste ano de 2014 em outras, como a PME, estão piores do que 2013, podemos esperar uma PNAD de 2014 mais preocupante, já que estamos o país entrou em recessão técnica em agosto. Não é (ainda) motivo para desespero, mas para preocupação e atenção.

A PNAD 2013 apresenta outros dados como dados populacionais, analfabetismo, educação, renda, domicílios e tecnologia. Para conhecer a íntegra da pesquisa, acesse o site do IBGE: http://www.ibge.gov.br/


POPULAÇÃO
201,5 milhões
                                      Mulheres
51,5%
                                      Homens
49,5%
TAXA DE ANALFABETISMO
8,3%
ACESSOA A INTERNET
50,1%
                                       





* O IBGE divulgou um erro na pesquisa e alterou várias informações, incluindo população e taxa de analfabetismo que publicamos acima. Os dados corrigidos são:
População - Homens 49,4% e Mulheres 51,6%
Taxa de Analfabetismo - 8,5%
Pesquisa corrigida: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000018883109232014310419410583.pdf

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

EMPREGOS EM RISCO

Pesquisa da FIESP e CIESP aponta um cenário muito ruim para os empregos no setor da Indústria. Temos comentado neste blog o desempenho ruim que o setor industrial vem apresentando há vários meses, tanto na questão da produtividade como na questão do emprego. Até agosto, foram fechados 31.500 postos de trabalho só no Estado de SP e a previsão é que este ano 100 mil postos de trabalho sejam fechados no setor.

O quadro na indústria pode ser pior do que na crise mundial em 2008/2009, com a economia atual paralisada, com expectativa do PIB muito baixo, beirando 0,5% (ou menos) e sem nenhuma política industrial implantada pelo governo. Se a Indústria não tem competitividade, por incapacidade de investimentos, altos impostos e baixa produtividade, não só os empregos no setor serão afetados, mas como também no comércio e no setor de serviços.


A situação do emprego atual só não é pior estatisticamente porque muita gente está fora do mercado de trabalho, desistindo de procurar emprego. Mesmo pela metodologia atual (e duvidosa) do IBGE (PME), que aponta desemprego em torno de 5%, se essas pessoas continuassem a procurar emprego, haveria um salto para algo em torno de 8%. 

domingo, 14 de setembro de 2014

O MUNDO DESABOU. E DAI?

Por: Ana Christina Coelho da Silva

De repente,”não mais que de repente” a vida nos derruba de uma forma tão intensa que o chão desaparece sob nossos pés. O ar nos falta, as idéias se embaralham. A primeira coisa que se faz é nos afogarmos em nossa tristeza e em nosso desamparo, aparece um denso véu sob nossos olhos, em seguida aparece a revolta, aí então o que fazer? Erguemos a cabeça e tentamos tudo o que nos é possível no momento, jogamos toda nossa revolta nas coisas que podem mudar nosso destino, que sim pode ser mudado, muitas vezes com suor e lágrimas mas antes de tudo possível. Se tentamos uma vez e tudo escorre dentre nossos dedos, começa-se mais uma vez e mais quantas dezenas forem necessárias. Muitas fortunas começaram assim.

Por diversas vezes ouvi dizerem “isso não é pra mim”, “não consigo”. Sou absolutamente contra esse discurso, sim podemos tudo o que quisermos desde que usemos tudo o que podemos e o que não podemos para o conquistar.

Vocês devem estar pensando, discurso politicamente correto mas longe da realidade, mas estão muito enganados. Há alguns anos adoeci gravemente e isso me impediu de continuar com minha profissão, depois de 20 anos fazendo a mesma coisa pensei que não seria possível uma alternativa. Passado o susto busquei tudo o que era e o que não parecia possível. Cada dia um desafio, muitas frustrações e novos recomeços. Não fiquei rica mas resgatei minha dignidade, mas sobretudo não me vi mais aprisionada na minha cama. Minha saúde piorou, mas mesmo assim sigo lutando, me levantarei quantas vezes necessitar, mesmo que meus braços estejam exaustos de tantos recomeços.

Certo. Mais uma vez e daí? Se estamos sem emprego, com renda menor que nossas necessidades, muito podemos fazer, quer na diminuição de gastos ou na complementação de renda em habilidades das quais jamais pensamos. Aí se pergunta como? Existem inúmeros cursos e possibilidades gratuitas, revistas e livros, quanto mais habilidades mais oportunidades. Agora só depende de você!Ainda resta alguma desculpa?



ANA CHRISTINA C. DA SILVA – médica anestesiologista , legista e especialista em Saúde Pública, escritora e artista plástica