ANO XIV

ANO XIV - Catorze anos informando sobre o mundo do trabalho

sexta-feira, 28 de junho de 2013

DESEMPREGO e as METODOLOGIAS DE PESQUISA ( IBGE, DIEESE, SEADE )

Muito se discutiu sobre as metodologias adotadas para medir o desemprego no Brasil (inclusive neste blog). As principais medições são realizadas pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, pelo DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos e ainda a Fundação SEADE – Sistema Estadual de Análise de Dados, porém as metodologias utilizadas são diferentes (IBGE X DIEESE\SEADE) e conseqüentemente resultados diferentes em suas análises. Quando comparados os resultados, os números do desemprego, por exemplo, apresentados pelo IBGE representam a metade dos números das outras entidades. Hoje, em tempos menos bicudos quanto ao tema desemprego, isso aparece pouco nas discussões, mas já provocou muito barulho e acusações que a metodologia do IBGE (pertencente ao governo federal) mascara os reais índices de desemprego.
Grosso modo, a metodologia do IBGE considera como critério apenas o Desemprego Aberto, ou seja, pessoas que naquele período medido estavam a procura de emprego e disponíveis são consideradas desempregadas. Considera ainda que uma pessoa que exerceu naquele período, qualquer atividade remunerada, mesmo que por algumas horas, não é um desempregado, inclusive qualquer tipo de “bico”, incluindo os “profissionais” dos cruzamentos (vendedor de balas, limpador de pára-brisas, cuspidor de fogo, etc.). Já as metodologias do DIEESE e SEADE consideram o Desemprego Total, ou seja, está incluído na metodologia o Desemprego Oculto (Trabalho Precário e pessoas em Situação de Desalento).
No final do texto colocarei uma nota sobre o significado de cada termo.
Ambas as metodologias pesquisam nas seis principais Regiões Metropolitanas e baseiam-se na PEA – População Economicamente Ativa. Vale aqui um comentário: se a pesquisa fosse realizada em outras regiões fora das RMs e a base fosse a PIA – População em Idade Ativa, os resultados seriam ainda mais relevantes e mais próximos da real situação, já que algumas regiões menos desenvolvidas são muito mais sensíveis ao desemprego e a PIA ampliaria enormemente a base da amostra.

Conceitos:
Desemprego Aberto: Pessoas que procuraram emprego no último período de 30 dias e não exerceram atividade remunerada de nenhum tipo nos últimos sete dias.
Desemprego Oculto: 1. Por trabalho precário – pessoa que exerceu algum tipo de atividade informal, de forma não contínua e irregular, mas que no período de 12 meses anteriores buscaram trabalho. 2. Por desalento – pessoas que deixaram de buscar trabalho nos últimos 30 dias, mas que procuraram nos últimos 12 meses, e que desistiram da busca, por desestímulo ou outro motivo fortuito.
PIA – População em Idade Ativa – é a população acima de 10 anos, aptas a exercer alguma atividade  econômica.
PEA – População Economicamente Ativa – é a população ( parcela da PIA) que está ocupada ou desocupada.

Para saber detalhes de cada metodologia e conhecer mais sobre o tema, o leitor pode acessar os sites das três entidades citadas:
Por Nelson Miguel Junior

2 comentários:

  1. considerar 10 anos de idade como pessoa apta ao trabalho me parece que é algo ainda dos tempos de escravidão... e não reflete a Constituição de 1988 (que já tem 25 anos!)
    essa metodologia também precisa ser revista (por mais que seja um conceito internacionalmente aceito...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima observação! Pena que não deixou seu nome. Obrigado

      Excluir

Obrigado por seu comentário