sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

O DESASTRE DA POLÍTICA ECONÔMICA E O FIM DOS EMPREGOS

Cada dia novas manchetes anunciam a decadência da economia brasileira e a gravidade da situação para os empregos. Empresas de todos os tamanhos estão fechando suas portas, principalmente no setor Industrial. Pequenas empresas sofrem ainda mais e muitas vezes de forma a aniquilar o negócio. Uma nova legislação de ICMS está destruindo as empresas de e-commerce. O governo não tem política industrial e pior, econômica. É um governo errático e sem comando. Quando se viu numa situação difícil pela quantidade de erros cometidos, seja por incompetência ou má fé, resolveu nomear para conduzir a economia o banqueiro Joaquim Levy. Todavia a intenção com essa nomeação era apenas “acalmar os mercados” e de forma alguma o deixaram mudar a desastrosa política econômica. Sem poder atuar e transformando-se em figura decorativa, sai o ministro para dar lugar a outro que foi um dos mentores do desastre.

Não tenho o hábito aqui no blog de fazer esse tipo de comentário, mas não é possível ficar passivo frente ao descalabro em que o Brasil se encontra. São mais de 1,5 milhões de postos de trabalho fechados somente em 2015, empresas grandes e pequenas encerrando suas atividades, redução da renda e inflação nas alturas corroendo os salários. A nossa moeda tem a pior cotação desde que foi criada. Toda
as as análises nacionais e internacionais afirmam que o Brasil não sairá dessa situação antes do final de 2017.

Vejo tudo isso com muita tristeza. Um país que estava estabilizado, crescendo e gerando empregos, é vilipendiado e se transforma num país com uma política econômica atrasada e retrógrada, destruindo todas as conquistas.

Somos um país atrasado. Muito atrasado.

Enquanto as “cabeças pensantes” apresentarem milagres e principalmente os “votantes” acreditarem nesses milagres, o Brasil está fadado ao fracasso, ao atraso. Uma nação não pode dividir riqueza se são gera riqueza. Qualquer proposta diferente dessa é basicamente uma mentira.

Os trabalhadores brasileiros acreditaram que estavam mudando de patamar, que suas vidas estavam melhorando, foram induzidos a comprar e gastar e agora, provavelmente, estão com seus carnês do crediário para pagar e sem seus empregos e salários.

Os empregos só se mantém se a economia se mantém. Economia em crescimento é ter empregos em crescimento e de melhor qualidade. Toda política econômica deve ser fundamentada em crescimento sustentável, sem milagres, para assim o país se desenvolver cada vez mais, proporcionando a cada trabalhador e a cada empregador a estabilidade dos empregos e dos negócios.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário